sábado, 13 de abril de 2013

Revolução “3 RRR” – Racionalizar, reduzir e reciclar.


Todos nós produzimos lixo. Geralmente não pensamos sobre ele: simplesmente o jogamos fora. Porém, o mundo está ficando sem espaço para guardar todo o lixo que se está acumulando. Se fica jogado por aí, ele se torna um risco para a saúde e para o meio ambiente. Queimar o lixo polui o ar, e as cinzas, muitas vezes, são tóxicas. Às vezes, o lixo é jogado nos rios e lagos, poluindo a água. Frequentemente ele é enterrado na terra, mas o lixo enterrado, muitas vezes, pode conter substâncias tóxicas que vazam no solo e poluem o abastecimento de água.

A discussão mundial se aprofunda na busca de macro-soluções. Enquanto os interesses divergem e um novo modelo de consumo de vida não se estabelece, politicamente. Podemos começar a revolução ambiental em nossa casa e em nosso trabalho.

Há três coisas que podemos fazer para limitar o impacto do lixo sobre o meio ambiente: Racionalizar, reduzir, e reciclar.
Racionalizar
Faz-se necessário tornar mais eficaz e menos dispendioso a questão do lixo no planeta. É preciso educar a população, ensinando racionalizar o lixo orgânico na produção de adubo, incentivar a utilização de horta caseira, utilizar racionalmente pequenas áreas de fundo de quintal mal aproveitadas.
Reduzir
A melhor solução é reduzir o lixo que produzimos em primeiro lugar. Por exemplo, só devemos comprar produtos que não venham com muita embalagem e de que realmente precisemos.
Pense cuidadosamente sobre que tipos de materiais são usados nas coisas que compramos. Uma vez que se tornam lixo, eles podem levar muito tempo para se decomporem.
Plásticos: Há quase 50 tipos de plásticos comumente usados para tudo, desde recipientes de suco de frutas e sacolas de plástico até janelas e portas. Muitos plásticos são fortes e duráveis. Eles não se decompõem ou se dissolvem. Além disso, a fabricação do plástico consome muita energia. Muitos produtos plásticos não podem ser reutilizados. Assim, nós os jogamos fora. O problema com o lixo plástico é que ele se transforma em produtos venenosos. Por exemplo, o vinil, usado para fazer garrafas, peças de carro e canetas, polui o solo, se for enterrado, e libera substâncias venenosas no ar, se for queimado. Devemos tentar reduzir a quantidade de plástico que usamos. Entretanto, os plásticos podem ser reciclados para fazer pentes de cabelo, lajes para piso e roupas de poliéster.
Reciclar
Se objetos como garrafas de vidro, latas de metal e de estanho, jornais e plásticos não puderem ser reutilizados, talvez seja possível reciclá-los. Por exemplo, o vidro é lavado em fábricas especiais, quebrado em pedacinhos e, então, derretido para fazer vidro “novo”, pronto para a fabricação de alguma outra coisa. Alguns países têm fábricas que reciclam estes materiais.
Veja os dados abaixo e reflita se é ou não necessário- Racionalizar, reduzir e reciclar.
Tempo de decomposição:
Jornal algumas semanas 

Sapatos de couro até 50 anos 
Caixas de papelão vários meses 
Plástico fino até 5 anos 
Folhas de bananeira algumas semanas 
Sacolas de plástico 10–20 anos ou até centenas de anos, dependendo do tipo de plástico 
Metais até 50 anos 
Latas de alumínio até 80 anos 
Garrafas de plástico centenas de anos 
Cacos de vidro milhares de anos

Cada um de nós é peça chave nessa engrenagem suja da cultura dos lixões.

Abaixo um muito interessante sobre o lixo no IF Campus Santa Inês e no Mundo.


Confira também a entrevista que Camila Rocha fez com um pequeno agricultor rural, está disponivel no youtube no link abaixo:

http://www.youtube.com/watch?v=mkpfi4VhRCI&feature=youtu.be
Fontes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário